dos abismos

Por toda parte há abismos. Há mesmo uma escola de cartografia que afirma só haver abismos e a vida não passar de um lento e inexorável precipitar-se. Desnecessário dizer que tal crença teria tornado inútil a própria arte da cartografia, que nada mais pretende ser do que o registro dos caminhos e práticas para contornar abismos.

Mas é certo que a qualquer momento o céu ou o chão podem se abrir e nos tragar em luz ofuscante ou treva extrema. Por isso, há consenso entre as escolas que não há outra sabedoria senão ouvir: o inesperado se arma no silêncio.